Resumo

Felipe dos Santos Peixoto é niteroiense, casado com a Graziela, pai da Clara e da Mariana, tem 39 anos de idade, e dedica boa parte de sua história à militância política e à busca por melhorias para o município de Niterói. Formado em Direito, pela Unilasalle e em Administração pela UFF, Felipe é especialista em Direito Público, pela Escola Superior da Advocacia, da OAB. Filho de educadores e inspirado nos princípios de Darcy Ribeiro e Leonel Brizola, Felipe sempre acreditou na força da educação como caminho para o desenvolvimento humano. Assim, acredita em uma política participativa e inclusiva, sempre atento aos anseios da população. Felipe iniciou sua militância politica ainda na infância, quando aos 9 anos de idade, fundou um Comitê Mirim, na varanda de sua casa, para a campanha de Darcy Ribeiro a governador do Rio de Janeiro, pelo PDT. Toda a sua adolescência foi marcada pelo ativismo político e pela luta no Movimento Estudantil, tendo participado inclusive do movimento Fora Collor. Aos 21 anos, foi convidado para o cargo de subsecretário regional de Icaraí. Onde esteve a frente do movimento popular “Niterói com Segurança”, um dos movimentos mais relevantes da época. A atuação de Felipe na Secretaria o credenciou para concorrer a uma vaga na Câmara Municipal nas eleições de 2000. Felipe obteve 3.018 votos, tornando-se o primeiro suplente do seu partido. Com apenas 23 anos, assumiu o mandato na Câmara Municipal, onde apresentou projetos voltados para os estudantes, para a preservação das lagoas e para a retomada do processo de planejamento urbano. Felipe ainda se reelegeu para vereador por mais dois mandatos (2004/2008). No pleito de 2008, foi o vereador mais votado da história de Niterói, com 8.206 votos. Impulsionado por novos desafios, entendeu que precisava alçar novos voos e realizar mais pela cidade. Concorreu e foi eleito Deputado Estadual pelo PDT em 2010 com mais de 30 mil votos. No ano seguinte assumiu a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (Sedrap) cargo que ocupou até abril de 2014. Em seu período na secretaria articulou projetos importantes para o estado e, particularmente, para o Leste Fluminense. Em menos de um mês no cargo, o novo secretário conseguiu salvar a Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj) da extinção já anunciada, vinculando a unidade à estrutura da nova secretaria, que abrigou também a Ceasa-RJ. Nesse período, no ano de 2012, reassumiu o mandato de deputado na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e disputou a prefeitura de Niterói chegando ao segundo turno, com cerca de 120 mil votos creditados a sua chapa. Conhecido e respeitado pela sua boa capacidade de gestão, foi convidado, em 2015, pelo então governador Luiz Fernando Pezão a assumir a Secretaria de Estado de Saúde, sem dúvida o maior de todos os desafios que já encarou, nos 18 anos de carreira pública. Felipe foi convocado para estabelecer uma gestão de reestruturação administrativa de um ano, deixando o cargo em 31 de dezembro de 2015. A história de Felipe Peixoto como político começou no PDT, partido que sempre fará parte de sua trajetória, foram grandes conquistas e muito aprendizado, mas foi preciso mudar. Hoje no PSB, Felipe preside a executiva municipal, e seguirá trilhando seu caminho na transparência e na gestão colaborativa, ouvindo sempre o cidadão e buscando o melhor para Niterói.

Veja mais sobre a atuação de Felipe

Na luta desde cedo

Felipe Peixoto sempre esteve atuando para mudar o ambiente ao seu redor, a paixão pela politica e a força de mobilização sempre foram presentes em sua trajetória. O Comitê Mirim, fundado por ele, no bairro do Pé Pequeno, ainda aos 9 anos, com cerca de 50 outras crianças, foi seu primeiro passo para se tornar um administrador público. Felipe procurava os candidatos, ouvia suas propostas para a cidade e para as crianças, apresentava-os ao Comitê e, juntos, todos definiam a candidatura que apoiariam. As crianças se reuniam e organizavam panfletagens, distribuição de material, viagens para outros municípios, apoio para criação de novos Comitês Mirins pelo Estado, dentre outras diversas atividades. Em 1990, o Comitê Mirim obteve seu registro no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). A partir daí sua veia politica só se fortaleceu, aos 13 anos foi importante mobilizador na reativação da Associação de Moradores do bairro Pé Pequeno, onde foi criado e vive até hoje. Ainda nesta época, ingressou no movimento estudantil, pela Escola Aldeia Curumim, tendo fundado o Jornaldeia. Como líder estudantil, participou do movimento Fora Collor, foi eleito representante de turma e participou de congressos e passeatas. A educação inovadora e os princípios focados no meio ambiente, desenvolvidos na Escola Aldeia Curumim, permeiam sua vida e sua atividade politica até hoje. A liderança estudantil seguiu forte na trajetória de Felipe, já no Ensino Médio, estudando no Centro Educacional de Niterói (CEN), lutou pela redução das mensalidades, organizou o Cine CEN e a Rádio de Pilha. Com recursos do grêmio que presidia, montou uma sala audiovisual, e adquiriu um computador com Internet, algo difícil na época. Felipe sempre mostrou preocupação com o excesso de lixo gerado pela população, aos 17 anos, deu início ao projeto RECICLACEN, que realizava coleta seletiva e reciclagem de lixo no CEN. Na mesma época, criou o projeto Lagoa é Vida, que introduziu a coleta seletiva de lixo nos domicílios em torno da Lagoa de Piratininga. Felipe ainda mantém seus laços com o movimento estudantil, sempre que convidado, participa de eventos e manifestações organizados pelo movimento, e busca apresentar propostas e projetos que facilitem a vida do estudante, além de estar sempre buscando a valorização dos profissionais da educação. Sua relação com a Escola Aldeia Curumim e com Centro Educacional de Niterói, também não ficaram só no passado.Ele vem organizando e participando de encontros de ex-alunos e eventos promovidos pelas duas instituições de ensino.

Veja mais sobre a atuação de Felipe

Dedicação a Niterói

O homem é um animal político, versava Aristóteles nos primórdios da filosofia. Esse conceito tem a ver com a relação do ser humano com a comunidade que o cerca e com sua consequente realização plena. Felipe Peixoto sempre respirou Niterói e da cidade vieram sua família, sua carreira política e a maior parte das suas conquistas pessoais. Além do engajamento desde muito cedo, temos a série de ações que marcam a sua história. Em seu primeiro ano como vereador, Felipe apresentou na Câmara importantes projetos, como o passe livre para estudantes, a preservação das lagoas e a retomada do processo de planejamento urbano na cidade. A demonstração de garra, persistência, liderança e dedicação incondicional em contribuir para o crescimento de Niterói lhe rendeu em 2003 o cargo de secretário Regional das Praias Oceânicas. Em apenas um ano, Felipe promoveu uma série de medidas que tiveram grande impacto na melhoria da qualidade de vida da região. Abraçou projetos de sustentabilidade, como o de construção de recifes artificiais para a proteção da orla de Piratininga, e firmou parcerias com associações ecológicas, incentivando a limpeza das praias com recuperação da restinga. Entre as ações implantadas como secretário regional, destacam-se a criação do sistema periódico de drenagem de redes com limpeza de rios, canais e galerias de águas pluviais; recuperação de vias; operações de ordenamento urbano; programas voltados à cultura, como o Rota das Artes; e até a cessão do terreno para a construção do quartel do Corpo de Bombeiros na Região Oceânica, resultado da lei 2.017 de 2002, de sua autoria. De volta à Câmara Municipal em janeiro de 2005 para seu segundo mandato de vereador, Felipe Peixoto prosseguiu liderando movimentos ecológicos e estudantis, apresentando inúmeros projetos como os voltados à mobilidade, desenvolvimento regional, inclusão social, saúde e sustentabilidade, entre outros, que resultaram nas 114 leis aprovadas. Foi neste mandato que Felipe presidiu a Comissão de Segurança Pública da Câmara Municipal, desde então se dedicando ao tema com afinco e determinação, incentivando e cobrando melhorias para a área e promovendo a aproximação de moradores e autoridades para participarem de debates voltados ao segmento. O meio ambiente foi um dos temas que Felipe teve atuação destacada em seu segundo mandato. Membro da Comissão de Urbanismo e Meio Ambiente da Câmara, ele apresentou diversos projetos de lei envolvendo questões ambientais. Presidiu a comissão que retomou o processo de demarcação do Parque Municipal Darcy Ribeiro, propôs a criação da Área de Proteção Ambiental da Água Escondida e coordenou o Movimento Niterói Praia Limpa. Entre suas mais expressivas contribuições, Felipe presidiu a Comissão Especial que investigou a cobrança de Foro e Laudêmio na Região Oceânica, além de apresentar o Projeto de Lei que incentiva o transporte não motorizado e criou o Estatuto da Bicicleta. Ainda neste mandato deu especial atenção ao patrimônio histórico e cultural de Niterói, apresentando vários projetos de tombamento. Tantas realizações garantiram que em 2008 o parlamentar conquistasse o seu terceiro mandato com 8.206 votos, consagrando-se o vereador mais votado de toda a história de Niterói. Felipe iniciou o mandato já com um novo desafio: o de presidir a Comissão de Saúde e Desenvolvimento Social da Câmara de Vereadores e permanecer na Comissão de Segurança Pública como vice-presidente. Felipe chegou a líder da bancada da Câmara do antigo partido, presidiu a Comissão de Saúde e Desenvolvimento Social e a Comissão de Segurança Pública, e foi ainda membro da Comissão de Urbanismo e Meio Ambiente da Câmara. Com a atuação política diferenciada, foi nomeado secretário geral da Associação de Vereadores das Câmaras Municipais do Estado do Rio de Janeiro em 2010. Durante esse mandato foi o vereador que apresentou o maior número de requerimentos de informação. Secretaria de Estado À frente da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca do Rio de Janeiro (Sedrap), Felipe indicou dezenas de ruas nas regiões Oceânica, Leste, Norte e de Pendotiba para os programas estaduais Bairro Novo e Asfalto na Porta; o projeto executivo de drenagem para a Região Oceânica; e o programa de revitalização das comunidades pesqueiras de Itaipu, Jurujuba e ainda Gradim, na vizinha São Gonçalo. Foi também em São Gonçalo que, em 2013, o então secretário de Estado idealizou a Cidade da Pesca, megaempreendimento que prevê a geração de 10 mil empregos. Na Alerj Por conta da eleição de 2014, Felipe Peixoto voltou à Alerj e prosseguiu na luta por melhorias nas mais diversas áreas, em especial, nas questões por ele já abraçadas, apresentando uma série de indicações. Entre elas, estão mais ruas para o programa Bairro Novo; a construção de  um Terminal de Integração Rodoviária (TIR) na RJ-106, em Várzea das Moças; a ampliação do atendimento do Detran no Fonseca e a instalação de um novo posto no Centro da cidade; e a restauração do Palácio Euclides da Cunha, no Horto do Fonseca, para abrigar a segunda Biblioteca Parque de Niterói.

Veja mais sobre a atuação de Felipe

Resumo

Na luta desde cedo

Dedicação a Niterói